6 iniciativas exemplares para a recolha do plástico

Amar e respeitar o ambiente não significa apenas cuidar dele, mas também sensibilizar as outras pessoas para que façam o mesmo. Nunca deixaremos de dizer até que ponto é importante a contribuição que todos nós podemos dar.

Por esta razão, no nosso novo artigo, quisemos recolher seis iniciativas de sensibilização para a recolha e a reciclagem do plástico. Estas iniciativas resultam mesmo da vontade de despertar as consciências e difundir a importância de uma utilização e, mais do qualquer outra coisa, de uma eliminação mais consciente dos resíduos plásticos.

Este é um exemplo para todos nós e uma ótima demonstração da importância fundamental de conscientizar e informar para que cada pessoa faça a sua parte, de forma responsável. Vamos lembrar que só todos nós juntos, acreditando nisso e continuando com nossas pequenas, grandes ações diárias de responsabilidade ambiental, podemos realmente fazer a diferença.

«A melhor lição é o bom exemplo».

Este é o lema de Luca Palla, que lançou uma campanha para o ambiente remando por 23 horas numa prancha da Córsega a Viareggio recolhendo resíduos plásticos do mar.

Luca, coordenador de acampamentos de verão, salva-vidas, professor de surf e personal trainer, iniciou este laborioso e importante processo de sensibilização, com o objetivo de educar cada vez mais pessoas, principalmente crianças e jovens, para o respeito pelo ambiente, organizando também dias de limpeza das praias. A iniciativa dele deu origem a muitos outros projetos semelhantes que convidam as pessoas a recolher resíduos para dar um bom exemplo e, ao mesmo tempo, dar um contributo concreto para a proteção do ambiente.

Este gesto pode parecer pequeno, mas, na verdade, graças ao esforço e à contribuição de todos, pode tornar-se enorme.

A “mini-difensora” do Oceano

Nina Gomes tem apenas 4 anos e, com o pai, limpa o mar e as praias do Rio de Janeiro dos resíduos.

De facto, a baía de Guanabara no Rio é uma paisagem esplêndida que, contudo, é “sufocada” por resíduos plásticos abandonados, principalmente garrafas, copos e canudos. Nina, apesar de ser muito jovem, já é muito sensível. Com o pai dela, um biólogo marinho que a chama “mini-defensora” do Oceano, ela usa uma prancha de paddle para recolher resíduos com a intenção de sensibilizar as pessoas sobre o respeito pelo mar. Nina também foi nomeada a “agente verde” mais jovem pela empresa municipal de limpeza urbana do país.

O veleiro que recolhe plásticos

Um veleiro que limpa as águas! Chama-se Manta, e, especificamente, trata-se do primeiro catamarã capaz de recolher, tratar e recuperar grandes quantidades de resíduos plásticos no mar e na foz dos rios. Desenhado há dois anos por Yvan Bourgnon, capitão e campeão, este catamarã tem 56 metros de comprimento e utiliza a 50-75 % energia própria proveniente da reutilização dos resíduos plásticos valorizados. 

A Manta será lançado à água em 2024. O objetivo ambicioso é conseguir recolher 10.000 toneladas de resíduos das águas por ano e, ao mesmo tempo, viajar para divulgar a importância da recolha e da reciclagem dos resíduos plásticos

O pescador de plásticos que protege o mar

Um pescador balinês de noventa anos fez da proteção do mar a sua razão de viver, recolhendo resíduos plásticos do oceano.

O empreendimento excecional dele tornou-se o documentário Voice above Water, que conta a transformação de “pescador de peixe” para “pescador de plásticos”. Também neste caso, o importante objetivo é sensibilizar o maior número possível de pessoas sobre a importância da responsabilidade ambiental. Estima-se que Wayan Nyo, graças ao seu trabalho, tenha recolhido mais de 62.400 pedaços de resíduos plásticos, tornando-se uma grande fonte de inspiração. 

Sensibilizar os cidadãos e as empresas produtoras

Uma barreira de bolhas que absorve os plásticos nos canais para que não acabem no mar. Esta solução inovadora de uma start-up holandesa, criada no Westerdok em Amsterdão, chama-se The Great Bubble Barrier. Graças a este projeto, Amsterdão consegue recolher nada menos que 42.000 kg de plástico dos seus canais. 

Os plásticos recolhidos são então examinados para saber de onde vêm e ativar iniciativas úteis de sensibilização, não só para os cidadãos, mas também para as empresas produtoras, para que repensem a própria produção de forma mais sustentável. Os plásticos recolhidos são então utilizados para lançar projetos de reciclagem no contexto da economia circular.

O primeiro-Ministro indiano que recolhe plásticos

O segundo maior país do mundo é também o em que existe uma quantidade impressionante de resíduos plásticos abandonados.

Não surpreende, então, que, em 2019, interveio o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, que queria recolher o plástico junto com algumas trabalhadoras para dar um bom exemplo para o país. 

Os plásticos descartáveis ​​serão proibidos na Índia até 2022. Esse é o objetivo proposto pelo primeiro-ministro Narendra Modi, que, nos últimos dias, se reuniu com 25 trabalhadoras ecológicas como parte de um programa governamental de conscientização ambiental.

Se todos os consumidores, em vez de contribuírem para poluir as águas dos mares e oceanos, e o meio ambiente, eliminassem devidamente o plástico para que possa ser reciclado de forma eficaz, então seria possível alcançar uma mudança radical.

E tu conheces outras iniciativas como estas? Conta-nos!